Producir conocimiento es tener un pensamiento militante

 

Authors
Fernandes de Oliveira, Luiz; do Carmo Oliveira Cunha, Liliam
Format
Article
Status
publishedVersion
Description

Lo que reflexionaremos en este texto va en contra de lo que el estudio de las relaciones étnico-raciales en la educación en Brasil ha demostrado en los últimos años, es decir, no hay posibilidad de construcción de conocimiento si no se tiene una postura militante y comprometida. Esta postura no es nada nueva en las ciencias de la educación o en ciencias sociales. Se verá a través del análisis bibliográfico cómo pensadores e investigadores militantes y comprometidos nos demuestran que el conocimiento se produce en la militancia y en el compromiso. Esta última afirmación, muy polémica en el ámbito académico, quiere discutir con la idea hegemónica de que para ser científico y objetivo, el individuo que se involucra con la producción de conocimiento, solo lo hará si se plantea como sujeto epistémico, mensajero de una forma precisa de investigar, armado con conceptos que lo conducen a la acción sobre la experiencia sensible y en la explicación como seguridad de objetividad del conocimiento producido, como el que produce verdades y significados para la sociedad. Sin embargo, como se verá en este argumento, también epistémico, los individuos productores de conocimiento son movilizados por una inquietud intelectual, que tiene origen en la realidad concreta en que están implicados. La discusión aquí presentada puede ser igualmente situada en lo que Freire (1987) dice sobre el hecho de que la cultura no puede ser quitada del individuo, pues él solo existe porque la cultura le es constitutiva. Este individuo de cultura es su propio productor. Implicado en su realidad, este individuo no tiene cómo ser objetivado para fuera de sí mismo.
This paper discusses the way ethnic-racial relationships are built in Brazilian education, that is, new knowledge cannot be constructed if an engagement posture and activist attitude is created. This posture is not new in education and social sciences. A literature review points out that, researchers and thinkers demonstrate that knowledge is produced by activism and engagement. It challenges a hegemonic idea of knowledge production. Therefore, to be considered a scientist, it has to be in an elevated epistemic subject, a messenger of a particular way of investigation with specific concepts that direct an empirical action. Acting as guarantor for objectivity of the produced knowledge, as the one who produces truths and meaning for society epistemically. The knowledge of producing subjects is moved by intellectual anxiety based on a concrete reality in which it is embedded. This term can be analogously situated in what Freire (1987) points out that culture cannot be unlinked from the subject, as it is the culture that constitutes the subject. This cultural subject is an own producer, implied in a reality; this subject cannot be objectivized outward itself. 
O que refletiremos neste texto vai de encontro ao que o estudo das relações étnico-raciais na educação no Brasil tem demostrado nos últimos anos, ou seja, não há possibilidade de construção do conhecimento se não tivermos uma postura militante e engajada. Esta postura, não é novidade nas ciências da educação ou nas ciências sociais. Veremos, através de análise bibliográfica, como pensadores e pesquisadores militantes e engajados nos demonstram que o conhecimento se produz na militância e no engajamento. Esta última afirmação, extremamente polêmica nos meios acadêmicos, quer debater com a ideia hegemônica de que para ser científico e objetivo, o sujeito que se envolve com a produção do conhecimento, só o fará se for alçado como sujeito epistêmico, mensageiro de um modo preciso de investigar, armado com conceitos que o direcionam na ação sobre a empiria e na explicação como segurança de objetividade do conhecimento produzido, como aquele que produz verdades e sentidos para a sociedade. Entretanto, como veremos em nossa argumentação, também epistêmica, os sujeitos produtores de conhecimento são mobilizados por uma inquietação intelectual, que tem sua matriz na realidade concreta em que os mesmos estão implicados. Este termo aqui posto pode ser analogamente situado naquilo que Freire (1987) nos diz sobre o fato de que a cultura não pode ser arrancada do sujeito, pois este só existe porque a cultura lhe é constitutiva. Este sujeito de cultura é seu próprio produtor. Implicado em sua realidade, este sujeito não tem como ser objetivado para fora de si.

Publication Year
2017
Language
por
Topic
Knowledge
epistemologies
social activism
education and race relations
conocimiento
epistemologías
militancia
educación y relaciones raciales
conhecimento
epistemologias
militância
educação e relações raciais
Fuente
Portal de Revistas UCR
Get full text
https://revistas.ucr.ac.cr/index.php/pensamiento-actual/article/view/29543
Derechos
openAccess
Licencia
Derechos de autor 2017 Pensamiento Actual